Analisando letras

Conheça a história da música Marvin, hit dos Titãs

Por Renata Arruda

1 de Março de 2020, às 19:00


Marvin é um dos maiores sucessos dos Titãs. Gravada em 1984 e lançada como single em 1988, quando ganhou nova roupagem no álbum ao vivo Go Back, a canção é uma versão de Patches, gravada pela primeira vez nos anos 1970 pela banda Chairmen Of The Board.

Titãs
Formação inicial dos Titãs / Créditos: Divulgação

Escrita por Ronald Dunbar e General Johnson, Patches ganhou um Grammy de Melhor Canção R&B e foi regravada pelo cantor de blues Clarence Carter, cuja interpretação até hoje é a mais famosa da música.

No entanto, foi uma terceira versão, gravada pela banda de reggae King Sounds & The Israelites, que inspirou Nando Reis e Sérgio Britto a compôr Marvin

Chairmen Of The Board
Integrantes da banda Chairmen Of The Board / Créditos: Divulgação

Vem conhecer melhor a história da música Marvin e ver uma análise da letra desse grande hit dos Titãs!

História da música Marvin

A história da música Marvin é fictícia e representa o cotidiano de muitas famílias pobres que vivem em áreas rurais.

Embora várias pessoas pensem que realmente existiu algum Marvin, Nando Reis explicou que o nome do personagem foi uma homenagem dos Titãs ao cantor Marvin Gaye, morto no mesmo ano em que a letra fora escrita.

Marvin Gaye
Marvin Gaye / Créditos: Divulgação

Antes de falar sobre Marvin, vale a pena conhecer a canção original e notar as diferenças entre as versões.

Patches: a versão original de Marvin

Patches, que em inglês significa retalhos, narra o drama de um rapaz humilde vivendo em uma área pobre do Alabama, Estados Unidos. Enquanto na versão dos Titãs Marvin precisou abandonar os estudos, Patches permaneceu na escola.

So I told mama I was gonna quit school / But she said that was daddy’s strictest rule
(Então eu disse para mamãe que eu iria abandonar a escola / Mas ela disse que isso era a regra rigorosa do papai).

Além disso, na versão brasileira, o menino se vê obrigado a roubar frangos para que a família tivesse oportunidade de comer carne. O mesmo não aparece na versão americana, em que Patches, com muito esforço, foi capaz de sustentar a casa sem ter que roubar.

Assim, de forma muito precisa, Nando Reis e Sérgio Britto conseguiram transpor a história da música americana para a realidade do Brasil dos anos 1980, quando o país ainda era fortemente rural e com uma desigualdade social bem acentuada.

Vamos agora entender melhor a história contada na música?

Análise da letra de Marvin

A canção conta a história do filho de um pequeno agricultor que não teve a oportunidade de estudar e trabalhava pesado para sustentar a mulher e vários filhos.

Um dia o trabalhador morre e deixa a cargo de seu filho mais velho, Marvin, a responsabilidade de sustentar a família.

Meu pai não tinha educação
Ainda me lembro, era um grande coração
Ganhava a vida com muito suor
E mesmo assim não podia ser pior
Pouco dinheiro pra poder pagar
Todas as contas e despesas do lar

Narrada por Marvin, a música começa com o rapaz relembrando o seu pai, um homem que não tinha estudos e dependia do trabalho braçal para se sustentar.

Mesmo com muito suor, ou seja, mesmo trabalhando duro de sol a sol, não havia muito dinheiro para pagar as despesas. Eles acreditavam que a vida não tinha como ser pior do que aquela realidade.

Esse trecho desafia a ideia de que basta trabalhar muito para ganhar muito dinheiro, uma vez que isso não se aplica a diversas famílias pobres, como a de Marvin.

Mas Deus quis vê-lo no chão com as mãos
Levantadas pro céu, implorando perdão
Chorei!
Meu pai disse: Boa sorte
Com a mão no meu ombro
Em seu leito de morte
E disse

Em uma estrofe bastante emocional, a letra conta que mesmo com todo o esforço que o pai de Marvin fazia para manter a casa e a família, Deus não teve piedade: não restando mais o que fazer, o homem se ajoelha e pede perdão antes de morrer, se culpando pela situação.

Conformado, ele chama o filho em seu leito de morte e dá a Marvin uma missão:

Marvin, agora é só você
E não vai adiantar
Chorar vai me fazer sofrer

A partir de agora, Marvin seria o homem da casa. Como filho mais velho, ele teria que aceitar o seu destino e a sua responsabilidade. Chorar não adiantaria nada e só faria o pai partir ainda mais triste.

E três dias depois de morrer
Meu pai, eu queria saber
Mas não botava nem os pés na escola
Mamãe lembrava disso a toda hora
E todo dia antes do Sol sair
Eu trabalhava sem me distrair

A estrofe acima mostra a dificuldade de Marvin em aceitar sua realidade. Ele ainda não havia se recuperado da morte do pai, o que o levou a abandonar os estudos mesmo sob os protestos da mãe.

A única coisa que Marvin ainda fazia era trabalhar todos os dias, sem parar para se distrair.

Às vezes acho que não vai dar pé
Eu queria fugir, mas onde eu estiver
Eu sei muito bem o que ele quis dizer
Meu pai, eu me lembro
Não me deixa esquecer
Ele disse

Para um rapaz ainda jovem, a pressão de um trabalho agrícola para sustentar uma família inteira não é algo simples de encarar.

Assim, Marvin muitas vezes sentia que não iria aguentar. Sua vontade era a de fugir e abandonar o trabalho, a mãe e os irmãos. No entanto, ele sabia que, onde quer que estivesse, a memória do pai o estaria acompanhando.

Marvin, a vida é pra valer
Eu fiz o meu melhor
E o seu destino eu sei de cor

Dessa maneira, o menino sente que precisa honrar a memória e o esforço do pai, aguentando firme.

O seu destino eu sei de cor é um verso que, mais uma vez, denuncia a realidade de famílias pobres brasileiras da época, em que dificilmente as pessoas tinham a oportunidade de ascender socialmente.

Ou seja, o pai sabia que o filho, muito provavelmente, teria o mesmo destino que o dele.

E então um dia uma forte chuva veio
E acabou com o trabalho de um ano inteiro
E aos treze anos de idade eu sentia
Todo o peso do mundo em minhas costas
Eu queria jogar, mas perdi a aposta

A situação, que já era ruim, ficou ainda pior. Mesmo tentando cumprir com suas obrigações, Marvin não podia enfrentar as fatalidades da natureza.

Assim, quando uma chuva forte acaba com todo o trabalho que ele passou o ano inteiro fazendo, ele começou a se dar conta de que a vida era muito mais dura do que ele era capaz de suportar sendo tão jovem.

Trabalhava feito um burro nos campos
Só via carne se roubasse um frango
Meu pai cuidava de toda a família
Sem perceber segui a mesma trilha
E toda noite minha mãe orava
Deus! Era em nome da fome que eu roubava

Assim como seu pai previra, Marvin seguiu o mesmo destino que ele. Ainda que trabalhasse dia e noite, não conseguia sustentar a família e era obrigado a roubar frangos para que seus familiares pudessem comer carne.

Ciente de que estavam cometendo um delito, sua mãe orava e pedia perdão a Deus. No entanto, Marvin não se culpa, pois sabe que a fome justificava o seu ato.

Dez anos passaram, cresceram meus irmãos
E os anjos levaram minha mãe pelas mãos
Chorei!
Meu pai disse: Boa sorte
Com a mão no meu ombro
Em seu leito de morte
E disse:

Após dez anos da morte do pai, agora Marvin perde sua mãe. A música dá a entender que ele permaneceu fazendo o mesmo trabalho e com as mesmas condições de vida. 

No entanto, agora seus irmãos são crescidos e, muito provavelmente, seguirão pelo mesmo caminho.

Marvin, agora é só você
E não vai adiantar
Chorar vai me fazer sofrer

Mesmo após tanto tempo, Marvin se lembra da missão dada por seu pai e aguenta firme.

Marvin, a vida é pra valer
Eu fiz o meu melhor
E o seu destino eu sei de cor

A música mostra a falta de oportunidade de muitos jovens que são obrigados a trabalhar desde cedo nos campos, repetindo um ciclo de geração em geração.

Músicas que contam histórias

Gostou de saber a história de Marvin, belíssima música dos Titãs? Para conhecer mais canções assim, não deixe de conferir 8 músicas que contam histórias.

músicas que contam histórias

Se você gostou deste texto, também vai gostar desses:

Receba os melhores posts do blog em seu e-mail

Assine a newsletter gratuitamente

Por favor, insira um e-mail válido.

Obrigado por assinar a nossa newsletter! 😊

Ops, rolou um erro na inscrição. Tente novamente mais tarde.