LETRAS.MUS.BR - Letras de músicas

Analisando letras

Análise de O Bêbado e a Equilibrista, sucesso de Elis Regina

Por Renata Arruda

7 de Abril de 2020, às 12:00


Lançada em 1979 no álbum Essa Mulher, de Elis Regina, O Bêbado e a Equilibrista foi adotada pelos brasileiros como o Hino da Anistia, em referência à lei que concedeu perdão aos perseguidos políticos e abriu caminho para o retorno da democracia no país.

Elis Regina
Créditos: Divulgação

Composta por João Bosco e Aldir Blanc, foi originalmente pensada por Bosco como uma homenagem a Charlie Chaplin, falecido em 1977. A harmonia, por exemplo, tem passagens melódicas propositalmente parecidas com Smile, do filme Tempos Modernos.

Cena do filme Tempos Modernos

Assim como outras músicas escritas durante a ditadura, a letra de O Bêbado e a Equilibrista é recheada de metáforas, utilizadas para denunciar a situação do país. Vem ver a nossa análise!

A história por trás de O Bêbado e a Equilibrista

Como adiantamos, O Bêbado e a Equilibrista surgiu da vontade de João Bosco homenagear Charlie Chaplin, que havia morrido no Natal de 1977.

“Estava em Minas, naquelas festividades de Natal e Ano Novo, e as pessoas entrando já no clima carnavalesco. Comecei a querer fazer no violão algo que ligasse o Chaplin àquele momento musical brasileiro, carnavalesco”, disse o músico.

Segundo ele, a inspiração surgiu pelo fato de Chaplin tratar de temas a favor dos miseráveis, mas com alegria, “e no final dos filmes havia sempre um horizonte onde você podia chegar a pensar em um dia viver em um mundo diferente. Não tão desfavorecido como este”.

Na época da composição, ainda estava em vigor o Ato Institucional nº 5, o AI-5, decreto que deu início aos anos mais duros do regime militar, que resultaram em inúmeras perseguições, exílios, prisões, torturas, mortes e desaparecimentos de opositores.

Protesto ditadura militar
Protesto contra o AI-5 / Créditos: Divulgação

Um dos exilados era o sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, irmão do cartunista Henfil e do músico Chico Mário.

Em uma conversa com os irmãos de Betinho, Aldir Blanc teve a ideia de fazer da música um protesto pela volta de todos os exilados e perseguidos, pelo ponto de vista de um personagem chapliniano, o bêbado.

Hino da Anistia

A música acabou caindo nas mãos de Elis Regina, que se apaixonou pela letra.

A faixa acabou informalmente se tornando o Hino da Anistia — ao pedir pedir pela volta do irmão do Henfil, ela passou a mobilizar milhares de pessoas pelo fim da repressão.

Em entrevista, Elis declarou acreditar que a música poderia ser “um empurrãozinho a mais na questão”, ou seja, uma forma de incentivar a volta da democracia e da liberdade de expressão. E foi o que aconteceu.

Análise da música O Bêbado e a Equilibrista

Confira uma análise trecho a trecho do significado da música:

Caía a tarde feito um viaduto
E um bêbado trajando luto
Me lembrou Carlitos

A letra começa em tom de desesperança, representada pelo fim repentino do dia. A menção ao viaduto é uma referência ao elevado Paulo de Frontin, que desabou no Rio de Janeiro em 1971, deixando dezenas de mortos e feridos.

Desabamento do elevado Paulo de Frontin
Desabamento do elevado Paulo de Frontin / Créditos: Divulgação

De forma irônica, Aldir Blanc se refere ao otimismo do período como uma ilusão tão frágil quanto uma obra malfeita. Além disso, temos a figura de Carlitos, personagem mais famoso de Chaplin, que representa a classe trabalhadora, a mais afetada pela situação.

Também é possível entender o personagem como um representante da classe artística, uma vez que as roupas pretas de Carlitos simbolizariam o luto pela falta de liberdade.

A Lua tal qual a dona do bordel
Pedia a cada estrela fria
Um brilho de aluguel

A Lua é utilizada aqui no sentido figurado para se referir a políticos que defendiam o regime militar por interesses particulares. Sem luz própria, ela recorre às estrelas frias (militares poderosos) em busca de um brilho de aluguel (ganhos eleitorais e pessoais).

Ou seja, tal qual a cafetina dona do bordel, que explora as prostitutas para benefício próprio, esses políticos se vendiam ao regime, às custas da exploração do povo e dos recursos do país, para obter ganhos pessoais.

E nuvens lá no mata-borrão do céu
Chupavam manchas torturadas
Que sufoco!
Louco!

O mata-borrão era um papel absorvente, usado para remover excessos de tinta das canetas-tinteiro. Ou seja, um utensílio para eliminar erros.

Assim, o verso e nuvens no mata-borrão do céu se refere às torturas e desaparecimentos promovidos pelo regime militar. Os torturadores são representados pelas nuvens, enquanto o mata-borrão simboliza o DOI-CODI, órgão de repressão do governo.

DOI-CODI
Créditos: Divulgação

Durante o período, era comum que opositores fossem eliminados pelos militares, que forjavam situações para justificar e abafar as mortes.

O bêbado com chapéu-coco
Fazia irreverências mil
Pra noite do Brasil
Meu Brasil!

A figura do bêbado com chapéu-coco é mais uma referência ao personagem Carlitos, usado aqui como representante do povo brasileiro.

Assim como Carlitos, que mantinha a irreverência diante das dificuldades, o povo continuava a tentar levar a vida com bom humor, acreditando que dias melhores chegariam.

Que sonha com a volta do irmão do Henfil
Com tanta gente que partiu
Num rabo de foguete
Chora
A nossa Pátria mãe gentil
Choram Marias e Clarisses
No solo do Brasil

Para o letrista, era um desejo de toda a sociedade que pessoas exiladas, como Betinho, retornassem ao Brasil.

Betinho, irmão de Henfil
Betinho, irmão de Henfil / Créditos: Divulgação

Além disso, ele menciona a dor de Marias e Clarisses, em referência às mães e viúvas de presos políticos, como Maria, esposa do metalúrgico Manuel Fiel Filho, e Clarice, esposa do jornalista Vladimir Herzog, ambos torturados e mortos pelo regime.

Um verso do Hino Nacional também é usado para ironizar o sentimento de nacionalismo, denunciando que os cidadãos brasileiros são mortos e exilados por um Estado que deveria protegê-los.

Mas sei que uma dor assim pungente
Não há de ser inutilmente
A esperança
Dança na corda bamba de sombrinha
E em cada passo dessa linha
Pode se machucar

A música, que começa em tom de desalento, termina com uma mensagem de fé: toda a luta de pessoas contrárias ao regime, que sonhavam com a abertura democrática, não seria em vão.

A esperança, mesmo que frágil e andando de sombrinha na corda bamba, existia.

Azar!
A esperança equilibrista
Sabe que o show de todo artista
Tem que continuar

Ainda que o período fosse de incertezas, tanto o povo quanto a classe artística deveriam seguir em frente, equilibrando suas esperanças na corda bamba. Afinal, a vida só tem um sentido: a frente.

Clássicos da música brasileira

Gostou de saber mais sobre O Bêbado e a Equilibrista? Então aproveita pra conferir uma análise de Como Nossos Pais, outro clássico da MPB imortalizado na voz de Elis Regina.

significado Como Nossos Pais