Señora de Las Cuatro Décadas

Ricardo Arjona

Original Tradução Original e tradução
Señora de Las Cuatro Décadas

Señora de las cuatro décadas
Y pisadas de fuego al andar
Su figura ya no es la de los quince
Pero el tiempo no sabe marchitar
Ese toque sensual
Y esa fuerza volcánica de su mirar

Señora de las cuatro décadas
Permítame descubrir
Qué hay detrás de esos hilos de plata
Y esa grasa abdominal
Que los aerobicos no saben quitar

Señora
No le quite años a su vida
Póngale vida a los años, que es mejor
Señora
No le quite años a su vida
Póngale vida a los años, que es mejor

Porque nótelo usted, al hacer el amor
Siente las mismas cosquillas
Que sintió hace mucho más de veinte
Nótelo así de repente
Es usted amalgama perfecta
Entre experiencia y juventud

Señora de las cuatro décadas
Usted no necesita enseñar
Su figura detrás de un escote
Su talento está en manejar
Con más cuidado el arte de amar

Señora de las cuatro décadas
No insista en regresar a los treina
Con sus cuarenta y tantos encima
Deja huellas por donde camina
Que la hacen dueña de cualquier lugar

Señora
No le quite años a su vida
Póngale vida a los años, que es mejor
Señora
No le quite años a su vida
Péngale vida a los años, que es mejor

Porque nótelo usted, al hacer el amor
Siente las mismas cosquillas
Que sintió hace mucho más de veinte
Nótelo así de repente
Es usted amalgama perfecta
Entre experiencia y juventud

Cómo sueño con usted, señora
Imagínese
Que no hablo de otra cosa que no sea de usted
Qué es lo que tengo que hacer señora
Para ver si se enamora de este diez años menor

Señora
No le quite años a su vida
Póngale vida a los años, que es mejor
Señora
No le quite años a su vida
Pongalé vida a los años, que es mejor

Señora
No le quite años a su vida
Póngale vida a los años, que es mejor
Señora

Senhora Das Quatro Décadas

Senhora das quatro décadas
É pegadas de fogo a andar
Sua imagem já não é a dos quinze
Mas o tempo não sabe murchar
Esse toque sensual
E essa força vulcânica de seu olhar

Senhora das quatro décadas
Deixe-me descobrir
O que está por trás desses fios de prata
E essa gordura da barriga
Que aeróbica não sabe como tirar

Senhora
Não tire anos da sua vida
Dê vida aos anos, o que é melhor
Senhora
Não tire anos da sua vida
Dê vida aos anos, o que é melhor

Porque note você, ao fazer amor
Sinta as mesmas cócegas
Que sentiu a muito mais do que vinte
Observe assim de repente
Você é uma amálgama perfeita
Entre a experiência e a juventude

Senhora das quatro décadas
Você não precisa ensinar
Sua imagem atrás de um decote
Seu talento está em manejar
Com mais cuidado a arte de amar

Senhora das quatro décadas
Não insista em voltar aos trinta
Com seus quarenta e tantos encima
Deixa marcas por onde caminha
Isso a torna a dona de qualquer lugar

Senhora
Não tire anos da sua vida
Dê vida aos anos, o que é melhor
Senhora
Não tire anos da sua vida
Dê vida aos anos, o que é melhor

Porque note você, ao fazer amor
Sinta as mesmas cócegas
Que sentiu a muito mais do que vinte
Observe assim de repente
Você é uma amálgama perfeita
Entre a experiência e a juventude

Como eu sonho com você senhora
Imagine
Que eu não falo de nada além de você
O que eu tenho que fazer senhora?
Para ver se se apaixona por este dez anos mais jovem

Senhora
Não tire anos da sua vida
Dê vida aos anos, o que é melhor
Senhora
Não tire anos da sua vida
Dê vida aos anos, o que é melhor

Senhora
Não tire anos da sua vida
Dê vida aos anos, o que é melhor
Senhora

Composição: Ricardo Arjona
Revisões por 5 pessoas.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog