Cópia De Uma Cópia De Uma Cópia

Anum Preto

Já acorda todo dia de manhã
Subordinando sua vida ao seu afã
Sua vontade própria se ruiu
Tudo o que consome lhe consumiu

Não vive mais pra se sustentar
Tem vivido só pra trabalhar
Mas deixando a vida pra depois
Sua mente e seu ego
Se partiram em dois

E se foi

Só precisa de um momento
Pra sair de dentro do apartamento
Ganhar uma cicatriz no rosto
Conhecer alguém que lhe dê gosto

Podia ser como as pedras
E assim como as pedras
Saber esperar
Ou podia ser como os rios
Que por sua vez sabem
A hora de passar

Mas

O seu ópio é ser uma cópia
De uma cópia de uma cópia
De sua natureza própria


Posts relacionados

Ver mais no Blog