Margarida Vai À Fonte

Antonio Pinto

Margarida vai à fonte
Vai encher a cantarinha
Brotam lírios pelo monte
Vai à fonte e vem sózinha

Seus olhos verdes risonhos
Nunca poisam em ninguém
Parecem viver de sonhos
Mais vagos do que risonhos
Mas são risonhos também

Tão pequena a casa dela
Fica à beira do caminho
E os canteiros da janela
Envolvendo a casa dela
Têm aroma a rosmaninho

Tão mimosa e delgadinha
Na forma do seu andar
Lembra um voo de andorinha
Quando passa de tardinha
Quando gira devagar

Linda flor desconhecida
Que o Sol beijou ao nascer
Deixa-te estar escondida
Margarida, Margarida
Nessa paz do teu viver

Composição: João de Vasconcellos e Sá
Enviada por Mário.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog