Unholy Wars

Angra

Original Tradução Original e tradução
Unholy Wars

[Part I - Imperial Crown]
Meu maracatu é da coroa imperial
É de Pernambuco
Ele é da casa real
Ele é
É de Pernambuco
Ele é
Lá de Portugal

Tupana, Tupana
Tupana, Tupana
Cana Xanae Bei

Em ladeira beira-mar
(É da coroa imperial)
Em ladeira beira-mar
(É da coroa imperial)
Em ladeira beira-mar
Capoeira vai pegar

Tupana, Tupana

[Part II - Forgiven Return]
A lethal bolt pierces the air
Like a falling star
(Young eyes are observing in the darkness)
His stare's reflecting fright
And scared he's struggling hard
To go back

Uneasy warders guard
The jail on quiet nights
(Young eyes contemplating somewhere to hide)
Mankind will soon learn
That the end has come in time

Dividing lands, retracing
All the borders will colide
Revealing ages when the absence
Of forgiveness rules our lives

Home how I go
My badge is wearing out
Written on the sand
Words to reconcile unholy wars

Forgive us our father
For we have sinned
Blinded by pride
We know not what we do
Thy kingdom will be done
By holy wars

The battle is over
But the war still rages on!

Dividing lands, retracing
All the borders will colide
Revealing ages when the absence
Of forgiveness rules our lives

Home how I go
My badge is wearing out
Written on the sand
Words to reconcile

Home how I go
My badge is wearing out
Written on the sand
Words to reconcile unholy wars

Guerras Profanas

Parte I - Coroa Imperial
Meu maracatu é da coroa imperial
É de Pernambuco
Ele é da casa real
Ele é
É de Pernambuco
Ele é
Lá de Portugal

Tupana, Tupana
Tupana, Tupana
Cana Xanae Bei

Em ladeira beira-mar
(É da coroa imperial)
Em ladeira beira-mar
(É da coroa imperial)
Em ladeira beira-mar
Capoeira vai pegar

Tupana, Tupana

Parte II - Retorno Perdoado
Um raio letal perfura o ar
Como uma estrela cadente
(Jovens olhos observam na escuridão)
O olhar fixo dele refletindo o medo
E apavorado ele está se esforçando muito
Para voltar

Carcereiros inquietos guardam
A prisão em noites calmas
(Os olhos da jovem contemplando um lugar para esconder)
A humanidade vai aprender logo
Que o fim chegou a tempo

Dividindo terras, refazendo
Todas as fronteiras irão colidir
Revelando eras em que a ausência
Do perdão governa nossas vidas

Casa agora eu vou
Minha insígnia está desgastando
Escrito na areia
Palavras para reconciliar - guerras profanas

Perdoe-nos, nosso pai
Por nós termos pecado
Cegos pelo orgulho
Nós não sabemos o que fazer
Teu reino será feito
Por guerras santas

A batalha está terminada
Mas a guerra ainda destrói!

Casa agora eu vou
Minha insígnia está desgastando
Escrito na areia
Palavras para reconciliar - guerras profanas

Perdoe-nos, nosso pai
Por nós termos pecado
Cegos pelo orgulho
Nós não sabemos o que fazer
Teu reino será feito
Por guerras santas

Composição: Bittencourt / Loureiro / Kiko Loureiro / Rafael Bittencourt
Legendado por Aline. Revisões por 8 pessoas.
Viu algum erro? Envie uma revisão.


Posts relacionados

Ver mais no Blog


Mais músicas de Angra

Ver todas as músicas de Angra