Qué Sabrán

Ana Guerra

Original Tradução Original e tradução

Tradução automática via Google Translate

Qué Sabrán

Y quién quiere ser catorce de febrero
Si podemos ser un miércoles normal
Yo me quito el disfraz que me hace llorar, ya no más
Tú me pintas de color hasta los huesos
Porque sabes que mi piel es de cristal
Y tu abrazo es el refugio
Donde duerme mis inviernos
Y que el frío tiemble ahí fuera

Qué sabrán de ti, esas miradas
Qué sabrán de mí, esas bocas que disparan
Solo dicen tonterías

Me gusta que dejes las puertas abiertas
Y que tus verdades no sean eternas
Tu mundo encantado, tus días amargos
Me gusta que estés aquí
Que no tienes miedo de ser ni de estar
Que rompes el juego del bien y del mal
Que pasen y vean
Que mueran de envidia
Que hablen
Qué más me da lo que digan de nosotros

Nunca fuimos de nadar bien la corriente
Y no hay vaso de agua que nos pueda ahogar
Peces de ciudad que puedan volar
Ven y muérdeme la boca con descaro

Qué sabrán de ti, esas miradas
Qué sabrán de mí, esas bocas que disparan
Solo dicen tonterías

Me gusta que dejes las puertas abiertas
Y que tus verdades no sean eternas
Tu mundo encantado, tus días amargos
Me gusta que estés aquí
Que no tienes miedo de ser ni de estar
Que rompes el juego del bien y del mal
Que pasen y vean
Que mueran de envidia
Que hablen
Qué más me da lo que digan de nosotros

Y qué más da si somos diferentes
Si ves bailar desnudo entre la gente
Si dicen que este amor es delincuente
No saben de amor

Me gusta que dejes las puertas abiertas
Y que tus verdades no sean eternas
Tu mundo encantado, tus días amargos
Me gusta que estés aquí
Que no tienes miedo de ser ni de estar
Que rompes el juego del bien y del mal
Que pasen y vean
Que mueran de envidia
Que hablen
Qué más me da lo que digan de nosotros

O que eles vão saber

E quem quer ser 14 de fevereiro
Se pudermos ser uma quarta-feira normal
Eu tiro o disfarce que me faz chorar, não mais
Você me pinta de cor até o osso
Porque você sabe que minha pele é de vidro
E o seu abraço é o refúgio
Onde meus invernos dormem
E deixe o frio tremer lá fora

O que eles vão saber sobre você, esses looks
O que eles vão saber sobre mim, essas bocas que disparam
Eles apenas dizem bobagens

Eu gosto que você deixe as portas abertas
E que suas verdades não sejam eternas
Seu mundo encantado, seus dias amargos
Eu gosto que você esteja aqui
Que você não tem medo de ser ou ser
Que você quebra o jogo do bem e do mal
Venha e veja
Deixe-os morrer de inveja
Deixe-os falar
O que mais me dá o que dizem sobre nós

Nunca fomos capazes de nadar bem na corrente
E não há copo d'água que possa nos afogar
Peixes da cidade que podem voar
Venha e morda minha boca atrevidamente

O que eles vão saber sobre você, esses looks
O que eles vão saber sobre mim, essas bocas que disparam
Eles apenas dizem bobagens

Eu gosto que você deixe as portas abertas
E que suas verdades não sejam eternas
Seu mundo encantado, seus dias amargos
Eu gosto que você esteja aqui
Que você não tem medo de ser ou ser
Que você quebra o jogo do bem e do mal
Venha e veja
Deixe-os morrer de inveja
Deixe-os falar
O que mais me dá o que dizem sobre nós

E que diferença faz se formos diferentes
Se você vir dançando pelado entre as pessoas
Se eles disserem que esse amor é delinquente
Eles não sabem sobre o amor

Eu gosto que você deixe as portas abertas
E que suas verdades não sejam eternas
Seu mundo encantado, seus dias amargos
Eu gosto que você esteja aqui
Que você não tem medo de ser ou ser
Que você quebra o jogo do bem e do mal
Venha e veja
Deixe-os morrer de inveja
Deixe-os falar
O que mais me dá o que dizem sobre nós

Composição: Ana Guerra / Gonzalo Hermida / Kai Etxaniz
Enviada por Danilo.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog


Mais músicas de Ana Guerra

Ver todas as músicas de Ana Guerra