Adeus Não Afastes os Teus Olhos dos Meus

Alexandra

Meu amor na vida, sem vida eu fico aqui
Desde que à partida, meu Zé, fiquei sem ti
Bem peço aos retratos: Socorro
São mudos, ingratos, vem tu senão morro

Nem mesmo a saudade me traz consolação
Quero uma verdade não quero uma ilusão
Na alma ainda me dói, meiga a tua voz
Quando o barco foi tão mau p’ra nós

Adeus, não afastes os teus olhos dos meus
Até quando ao longe a bruma a pairar
Se consuma entre as ondas do mar
E os céus
Adeus, não afastes os teus olhos dos meus
Dá-lhes carinhos que partem ceguinhos
De amor pelos teus

Sei que tu existes e sei também meu Zé
Que há palavras tristes e que uma delas é
A que me tortura, a distância
Nem sei se há mais dura na minha ignorância

Há palavras belas mas quase as esqueci
São, noivado, estrelas, altar e outras pra aí
Quando as ouvirei todas, oh Jesus?
Hoje apenas sei estas sem luz

Adeus, não afastes os teus olhos dos meus
Até quando ao longe a bruma a pairar
Se consuma entre as ondas do mar
E os céus
Adeus, não afastes os teus olhos dos meus
Dá-lhes carinhos que partem ceguinhos
De amor pelos teus

Adeus, quem sabe alma querida
Adeus, se é por toda a vida?
Adeus, não afastes os teus olhos dos meus
Dá-lhes carinhos, que partem ceguinhos
De amor pelos teus

Composição: José Galhardo / Raul Ferrão
Enviada por Mário.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog