Árido Homem

Abske Fides

Vaga só, como um grão, no árido infinito
Nada fala, só grunhe sons de inquietação ou rendição
Morre só na sequidão do infortúnio taciturno
Consumado, o olhar opaco, a carne em sangue, vã errância

Andar pesado
Degradado, roubaram sua humanidade
Insurgiu contra toda autoridade

Do inculto horizonte: inquietação. Homem só
Do flagelo da aspereza: resignação. Homem só


Posts relacionados

Ver mais no Blog